Congresso do Povo

Pepe defende unidade das esquerdas em seminário preparatório para o Congresso do Povo

A ideia de “construir com o povo e para o povo um projeto de nação” começou a ser colocada em prática na manhã deste sábado (7), no Centro dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul (Cpers), em Porto Alegre (RS), durante o seminário preparatório para o Congresso do Povo Brasileiro, que será realizado de maio a julho deste ano. O deputado federal Pepe Vargas (PT-RS), que também é presidente estadual do partido, participou na parte da manhã do painel sobre a conjuntura social, política e econômica por que atravessa o Brasil e defendeu a unidade das esquerdas.
Representantes de centrais sindicais, da via campesina, representantes dos estudantes e da Marcha Mundial de Mulheres debateram alternativas para a transformação do país em uma “nação forte, independente, soberana e desenvolvida”. Para o deputado, a conjuntura atual é marcada pela crise do capitalismo, iniciada em 2008. “Como em todas as crises, setores da burguesia buscam ampliar o seu poder econômico e político. Com a queda do comércio internacional, o mercado criou um conjunto de políticas de austeridade fiscal e iniciaram o ataque aos direitos sociais, aos direitos dos trabalhadores”, observou.
Pepe também lembrou que mais de 100 países realizaram reformas trabalhistas e aumentaram a exploração do trabalho. Outro componente foi desestabilizar os países que não tinham estes interesses. Exemplo disso foi derrotar a presidenta da Argentina, Cristina Kirschner, Lugo no Paraguai e Dilma Rousseff no Brasil. “Aproveitam a crise para derrubar governos. O golpe de 2016, insere-se neste processo mais geral e abre uma nova etapa na luta de classes. Acabou o ciclo que iniciou com a democratização e o fim da ditadura. Antes podiam defender um programa liberal, mas aceitavam o jogo democrático. Agora não aceitam mais”, alertou.
Para enfrentar este novo contexto, o deputado disse que é preciso ampliar o apoio de setores da esquerda para defender a democracia. “O ataque à soberania faz parte do projeto golpista. A perseguição de Lula é a radicalização do golpe. Em nossos atos mais amplos fundamentalmente, vem a nossa militância. Temos que ter capacidade de trazer mais gente para as mobilizações”, ponderou.
Para Pepe, é fundamental reafirmar a candidatura de Lula. “Vamos defender a candidatura de Lula, esteja ele dentro ou fora de uma cela, pois eles podem inviabilizar a candidatura de Lula, mas precisarão mostrar que continuam pisando nas leis e na Constituição. Será mais uma demonstração de que vivemos um período de exceção em que a constituição não é cumprida”.
Outra estratégia defendida por Pepe foi a construção de comitês suprapartidários. “Uma coisa são as candidaturas, outra é a unidade política. No Congresso do povo achamos que temos que constituir comitês, independente do nome, que tenham capacidade de unificar todos os lutadores e lutadoras que tenham clareza do momento atual que se insiram nas lutas concretas da sociedade. O que a conjuntura exige de nós é mais esforço, dedicação, trabalho e tempo porque além de participar dos atos, temos que nos dedicar a organização dos comitês”.
O congresso do Povo é considerado inédito por sua amplitude, tendo em vista que contará com a mobilização de movimentos populares em todo o país, bem como pela perspectiva de que o povo está sendo chamado a construir “com as suas próprias mãos o projeto que busca o desenvolvimento do Brasil”. O objetivo da FBP é que o Congresso do Povo Brasileiro possa incidir na disputa eleitoral ao mesmo tempo em que construa uma agenda de mobilização e de formação da sociedade brasileira.

 

Assista a fala de conjuntura feita pelo Deputado Pepe Vargas na abertura do evento: https://goo.gl/FVpvem

Relacionados